Não fosse o penálti convertido por Alex Telles aos 96 minutos na vitória por 3-2 sobre o Belenenses na 2.ª jornada da I Liga e o FC Porto já ia em três jogos sem vencer nas seis que já disputou a nível oficial. Com os azuis do Restelo esteve a vencer por 2-0 e permitiu o empate; voltou a repetir a dose frente ao Vitória de Guimarães na ronda seguinte da Liga, com contornos de escândalo, permitindo que os minhotos passassem de 0-2 para 3-2 em pleno Dragão. Na noite desta sexta-feira, na estreia na fase de grupos da Taça da Liga, voltou a mostrar a incapacidade para segurar os jogos e os resultados e permitiu o empate dos flavienses. Pela quarta época seguinte o FC Porto não vence o primeiro jogo da época na Taça da Liga.

Veja as melhores imagens do encontro

O jogo: Daniel Ramos fechou as portas e meteu as 'Chaves' no bolso

Apesar das muitas mudanças no onze, em função dos jogadores que voltaram tarde dos compromissos das seleções, esperava-se mais do FC Porto mas a equipa continua a exibir os meus problemas neste início de época: muito nervosismo na construção, falta de concentração na hora de finalizar e muito espaço dado aos adversários para atacar. Vaná foi dono da baliza, João Pedro foi lateral direita, Danilo voltou ao onze sete meses depois e Adrian Lipez titular, quase dois anos depois.

O problema do FC Porto foi a lentidão de circulação da bola, tanto pelo meio como pelos corredores, para derrubar a muralha flaviense, assente em 5-4-1, com os onze homens no seu meio-campo atrás da linha da bola, a defender a sua baliza nos últimos 30 metros. Com o possante Jefferson encarregue de marcar Marega em todo o lado e Adrian a oferecer poucas soluções, o ataque azul-e-branco vivia de lances de bola parada. Demasiado pouco para um campeão nacional.

Conceição, expulso ao intervalo no túnel a caminho dos balneários, mandou trocar Corona por Brahimi e Hernâni por Adrian Lopez e ganhou logo a aposta. O extremo português isolou Marega na primeira vez que tocou a bola (o maliano falhou perante António Filipe) e fez o 1-0 no primeiro remate que fez, após trabalho de Brahimi. O normal estava reposto, a 'muralha' para lá do Marão tinha caído à lei da bomba aos 74 minutos.

Esperava-se um FC Porto mais tranquilo, com mais bola, com mais espaço para fazer o 2-0 face a subida das linhas dos flavienses mas uma falha de marcação de Alex Telles permitiu a Eustáquio empatar aos 83. Os quase 38 mil espetadores que marcaram presença no Dragão nem queriam acreditar no que viam.

Com o tão desejado pontinho o Chaves voltou a fechar a 'porta' e foi segurando as investidas finais dos 'dragões' para pontuar pela primeira vez na casa do FC Porto. Um empate que abre boas perspetivas para a equipa seguir em frente já que passa a defender de si próprio.

Já Conceição terá de perceber, junto da equipa, como é possível já ter sofrido oito golos em apenas seis jogos oficiais e como é que a equipa permite a recuperação aos adversários. Terça-feira há Champions com o Schalke04 e aí, as falhas não costumam ser perdoadas. É hora de mostrar a outra faceta do Dragão.

O Momento do jogo: Stephen Eustáquio ´castiga' 'sonolência' do Dragão

Quando Hernâni fez o primeiro do jogo, esperava-se que o FC Porto tinha encontrado a chave do 'cofre' dos golos mas Eustáquio tratou de fechar as portas às sete Chaves e dividir os pontos aos 83.

As polémicas: Três pedidos de penáltis, muito tempo e um golo bem anulado

O árbitro Vítor Ferreira teve uma noite muito atribulada. Aos 12 minutos Niltinho cortou com a mão uma bola em lance com Marega. O jogador estava em cima da linha de área (que faz faz parte da área) mas o árbitro mandou marcar falta do brasileiro fora da área. No segundo tempo, Aboubakar caiu em lance com Nuno Coelho e outros dois defensores. O central flaviense esticou a perna e impediu que o camaronês seguisse com a bola na área. O árbitro, perto da jogada, mandou seguir. No mesmo minuto, novo lance polémico, agora na área do FC Porto. André Luís, cabeceou a bola, esta desviou no braço João Pedro e foi parar às mãos de Vaná. Mais uma vez, Vitor Ferreira mandou seguir. O árbitro foi também muito contestado pelos 'dragões' por, alegadamente, ter dado pouco tempo de desconto (dois minutos no primeiro tempo e cinco no segundo), tantas foram as vezes em que os jogadores flavienses pediram assistência ou queimaram tempo. Já nos descontos ia 'borrando' ainda mais a pintura ao começar por dar golo ao FC Porto mas foi alertado pelo seu assistente que o desvio de Aboubakar para o 2-1 tinha sido feito com o braço. Decisão acertada.

Os melhores: Eustáquio é de outro campeonato, Marcão foi uma 'parede'

Quando um 'pequeno' empata num campo de um 'grande', há que dar mérito a defesa. E a do Chaves esteve irrepreensível. Destaque para o grande jogo de Marção, ex-Rio Ave mas também para a excelente exibição de Jefferson, a 'sombra' de Marega. Eustáquio, pelo que jogou no meio-campo e pelo golo, merece destaque. No FC Porto, Hernâni teve uma boa entrada, Otávio foi dos melhores.

Os piores: Defesa portista perdeu quase sempre para William

William, o avançado do Chaves, deu muito trabalho, ganhou muitas faltas e muitas bolas aos centrais portistas. João Pedro esteve bem a atacar mas a defender deixa muito a desejar. Corona continua a desperdiçar oportunidades sempre que é titular e parece que só rende quando sai do banco.

Reações: Críticas dos 'dragões' ao árbitro, Eustáqui nas 'nuvens'

Sérgio Conceição critica Vítor Ferreira: “Um árbitro com pouca confiança, pouco caráter e até algum receio”

Adjunto de Sérgio Conceição aponta o dedo à arbitragem: “É preciso trazer melhores intervenientes”

Danilo: “Quebramos um pouco e isso foi crucial”

Daniel Ramos: “Não se consegue bons resultados sem uma pontinha de sorte”

Eustáquio: “Fizemos história, mas o mais importante era deixar uma imagem diferente da 1ª jornada”

Veja o resumo

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.