Filme do Jogo

O FC Porto venceu ontem o Sporting de Braga por 3-0, na primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal de futebol, resultado que coloca os 'dragões' em posição privilegiada para garantirem presença na final do Jamor.

A equipa 'azul e branca', que foi quase sempre superior, começou a construir a vantagem ainda na primeira, com um golo de Alex Telles, de grande penalidade, aos 37 minutos, tendo Soares, feito o segundo, aos 63 minutos, e Brahimi sentenciado o jogo, apontado o terceiro golo, aos 90+4.

Primeira parte começou sem ideias, até chegar a grande penalidade

Sérgio Conceição valorizou os objetivos da equipa nesta competição, ao não facilitar e manter, praticamente, o mesmo 'onze' que usou no último jogo do campeonato, trocando apenas Casillas por Fabiano, na baliza, mas chamando ao banco Danilo, Éder Militão e Marega.

Na turma do Minho, o técnico Abel Ferreira, que viu a equipa somar a terceira derrota consecutiva, promoveu algumas mexidas, em relação ao último compromisso, lançando Marafona, Raul Silva, Ricardo Esgaio e Sequeira nas opções iniciais.

Sérgio Conceição: "Fizemos um jogo bastante acima da média"
Sérgio Conceição: "Fizemos um jogo bastante acima da média"
Ver artigo

Os 'dragões' acabaram por mostrar maiores rotinas, entrando no jogo a assumir a iniciativa e com maior posse de bola, mas que inicialmente pecava numa melhor definição no último passe, o que ia facilitava a tarefa do adversário.

Do outro lado, os minhotos conseguiam manter a coesão defensiva, mas não tinham igual mérito a explorar os contra-ataques, e apesar de Wilson Eduardo, aos 10 minutos, ter esboçado o primeiro remate, não mostravam suficiente desenvoltura para criar grandes focos de perigo.

Nesta toada, com um futebol muito batalhado no meio-campo, o primeiro lance relevante para o FC Porto junto da baliza de Marafona só surgiu aos 27 minutos, num cabeceamento fulgurante de Pepe, após um canto, que o guardião dos bracarenses defendeu por instinto.

Mas, se nesse lance Marafona mereceu todos os créditos, cinco minutos depois o guardião 'borrou a pintura', numa saída despropositada, e fora de tempo, acabando por 'atropelar' Herrera, numa falta para grande penalidade.

Na cobrança do castigo, já aos 37, Alex Telles não desperdiçou e impôs o 1-0, que se arrastou até ao intervalo, dada incapacidade de reação dos comandados de Abel Ferreira.

SC Braga reentrou com ambições, mas o banco portista sentenciou a parte - quiçá a eliminatória

Abel: "Contra os 'grandes' são os pormenores que fazem a diferença"
Abel: "Contra os 'grandes' são os pormenores que fazem a diferença"
Ver artigo

O tempo de descanso acabou por fazer bem aos 'arsenalistas', que regressam com ambição renovada para a segunda metade, e a desenhar, logo aos 54 minutos, uma soberana oportunidade para empatar, num remate Dyego Sousa, mas que teve defesa de grande calibre de Fabiano.

O guarda-redes do FC Porto provou, pouco depois, a concentração, segurando um cabeceamento de Palhinha, após um canto, numa intervenção que serviu para espevitar a reação da sua equipa, corporizada por Corona, aos 60 minutos, quando tentou, à força, fazer o segundo, num remate potente detido por Marafona.

Soares, que tinha entrado ao intervalo, tirou 'apontamentos' desse lance do companheiro mexicano, e, três minutos depois, quando teve a sua oportunidade, após assistência de Otávio, optou por um desvio subtil, que deixou Marafona 'pregado' á relva.

Com a vantagem mais confortável, o FC Porto entrou em modo de gestão, talvez já a pensar no clássico de sábado, frente ao Benfica, para o campeonato, controlando as iniciativas de um Sporting de Braga sem suficiente clarividência para minimizar os estragos.

Wilson Eduardo: "As coisas estão difíceis"
Wilson Eduardo: "As coisas estão difíceis"
Ver artigo

Já nos descontos, Brahimi, também aposta para o segundo tempo, fechou com nota artística o triunfo dos 'azuis e brancos', num remate de belo efeito, após assistência de Óliver, que deixa a equipa em posição muito confortável para o jogo da segunda mão, em Braga, agendada para 2 ou 3 de abril - ainda sem data certa.

A figura: Óliver Torres

O médio espanhol está cada vez melhor na equipa portista, mostrando ser um autêntico mestre de cerimónias. Oliver sabe atacar e defender e parece ter encontrado (agora) o seu lugar nesta equipa mais agressiva de Sérgio Conceição. De acordo com as informações do site Goal Point, “foi o mais interventivo, com 98 acções com bola, tendo completado 88% dos passes que realizou – 12 de 15 longos – e ainda recuperou a posse de bola 13 vezes”.

Um SC Braga tão mau só no final da época 2016/17

Os portistas somaram o 32.º triunfo da época, em 41 jogos, enquanto o SC Braga contabilizou a terceira derrota consecutiva, cenário que não vivia desde o final da época 2016/17, na transição de Jorge Simão para Abel Ferreira. Além disso, a formação de Abel Ferreira sofreu oito golos sem resposta nestas últimas três partidas.

Na outro meia-final, o Benfica está em vantagem, depois de ter batido em casa o Sporting por 2-1.

De recordar que, no próximo sábado (20h30), o FC Porto recebe o Benfica para 24.ª jornada da I Liga.

* artigo atualizado às 10h36 para correção no título

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.