O presidente da Federação Cabo-verdiana de Andebol considerou “histórico e indiscritível” para Cabo Verde a qualificação da seleção nacional da modalidade para o Mundial de 2021 a ser disputado no Egipto, logo na sua primeira participação no CAN.

Em entrevista à Inforpress, directamente da Tunísia, onde Cabo Verde assegurou a qualificação para o Mundial de 2021, Nelson Martins disse que toda a comitiva crioula está radiante e incrédula com esta prestação. Cabo Verde bateu a RD Congo por 32-30, esta tarde, no Campeonato Africano das Nações, CAN’2020, que decorre na Tunísia.

O líder federativo disse que a caravana “está nas alturas” já que entrou para a maior montra do andebol africano como “outsider”, pelo que diz entender que se trata de “um feito extraordinário e enorme” para o andebol e para todo o cabo-verdiano”, uma vez que Cabo Verde chegou a Tunísia como um “convidado e desconhecido”.

“Penso que todo o cabo-verdiano deve sentir-se orgulhoso deste feito. Com melhor organização desportiva e mais apoios financeiros que faltou a selecção, mais envolvimento das entidades e instituições nacionais iremos longe. Viemos para a Tunísia com uma única verba do Governo, insuficiente e sem apoio de qualquer empresa”, especificou Nelson Martins.

Disse lamentar o facto da selecção ter viajado para Tunísia, onde se encontra, “sem quaisquer respostas dos pedidos enviados à Presidência da República, ao Gabinete do Primeiro-Ministro e à Assembleia Nacional”, pelo que, disse, a comitiva crioula encontra-se “sufocada e a sobreviver-se, ao passo que as outras selecções encontram-se na Tunísia com todas as condições criadas para um bom trabalho”.

“Felizmente o resultado é que conta. Estamos todos felizes, os atletas estão eufóricos, numa verdadeira festa nas piscinas, dançando, cantando, o resto é a história”, disse Nelson Martins, para depois explicar que ao assegurar a presença no Mundial, Cabo Verde vai agora defrontar Marrocos este sábado, para a definição do quinto e sexto lugares.

Nelson Martins sublinhou que este feito de Cabo Verde acabou por deixar cada vez mais estupefacto a Confederação Africana de Andebol e toda a organização do CAN, alegando que desde o primeiro jogo contra a Tunísia, campeã de África em título, apesar da derrota por 12 bolas, Cabo Verde tem sido elogiado e que com o acumular de resultados tem vindo a ser sistematicamente referenciado pelo presidente da CAHB em todas as reuniões técnicas.

Disse que confirmada a qualificação para o Mundial de 2021 em janeiro, no Egipto, a Federação Cabo-verdiana de Andebol conta poder agora contar com o “apoio necessário que faltou a selecção nesta caminhada”, para poder preparar o colectivo de forma a continuar a representar Cabo Verde com sucessos.

A comitiva crioula deixa a Tunísia logo no domingo, 26, após a final da 24.ª edição do CAN’2020 a ser disputado entre as selecções nacionais do Egipto e da Tunísia.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.