O ouro no futebol de praia e os bronzes da equipa de ténis de mesa e do kata coloriram hoje a jornada de Portugal nos II Jogos Europeus, com 15 pódios de qualidade agora superior a Baku2015.

Há quatro anos, no Azerbaijão, Portugal tinha assegurado 10 medalhas, sendo três de ouro, quatro de prata e três de bronze: o futebol de praia assegurou o desejado terceiro ouro, só que a comitiva lusa tem ainda seis pratas e outras tantas de bronze.

Se o número de medalhas já tinha sido ultrapassado, era importante assegurar que a valia das mesmas fosse, pelo menos, igual, pelo que a 'portuguesa' teve outro sabor para a comitiva nacional.

Depois do terceiro lugar na estreia, a equipa de Mário Narciso assumiu a vontade de "fazer história" em Minsk e a verdade é que foi de forma épica que o conseguiu: a perder 0-2 com a Espanha, os lusos, segundos do 'ranking' mundial de futebol de praia, golearam o rival ibérico, sétimo, por 8-3.

O feito justificou celebrações efusivas e a subida ao 12.º do medalheiro -- 18.º em Baku - entre os 50 participantes, 39 dos quais já com pódios.

A equipa masculina de ténis de mesa já não podia defender o ouro, após o desaire 3-0 com a Alemanha nas 'meias', contudo hoje voltou ao seu melhor nível e impôs-se à Dinamarca por 3-1, e regressou ao pódio, agora em tom bronzeado.

Kata é um desporto ainda pouco conhecido em Portugal -- modalidade do karaté sem combate, mas com exibição de movimentos e golpes que recebe nota artística -, porém Patrícia Esparteiro pode ajudar a mudar a realidade, após o seu bronze.

A jovem lusa, que na disputa do pódio se superiorizou a adversária bielorrussa - 24,68 pontos, contra 23.68 da anfitriã - ambiciona representar Portugal na estreia olímpica desta especialidade.

No ciclismo de pista, Rui Oliveira e João Matias fizeram um bom trabalho, terminando em quinto lugar com 24 pontos, a somente um do quarto, ainda assim longe do pódio, já que o bronze ficou à distância de 13.

Na perseguição individual, João Matias foi sétimo, com 4.23,606, a mais de cinco segundos da luta pelo bronze.

Em omnium, Maria Martins também foi sétima contabilizadas as quatro provas, somando os mesmos 91 pontos da sexta, a 29 do terceiro

Filipa Martins terminou o concurso completo de ginástica em 15.ª com 49.532 pontos, referentes ao somatório dos exercícios de solo (12.600), trave (11.966), paralelas assimétricas (11.966) e salto (13.000), cuja final não conseguiu disputar.

Portugal soma 15 medalhas nos Jogos Europeus de 2019, três delas de ouro, conquistadas pela seleção de futebol de praia, por Fu Yu, na competição de singulares femininos de ténis de mesa, e Carlos Nascimento, nos 100 metros.

A representação lusa amealhou ainda seis de prata, pela equipa de judo, pelo ciclista Nelson Oliveira no contrarrelógio, pelas ginastas acrobatas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia, nas provas de combinado e de exercício dinâmico, e por Fernando Pimenta, em K1 1.000 e K1 5.000 metros.

Também conquistaram medalhas de bronze as três ginastas, na prova de equilíbrio, a judoca Telma Monteiro (-57 kg), a estafeta mista dos 4x400 metros, Diogo Ganchinho, nos trampolins, a karateca Patrícia Esparteiro, em kata, e a seleção masculina de ténis de mesa no torneio por equipas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.