Salomé Rocha ficou surpreendida por ter liderado a corrida dos 10.000 metros hoje nos Mundiais de Atletismo de Londres, apesar de um início lento que acabou por prejudicar o desempenho.

"O primeiro quilómetro achei bastante estranho porque não é normal as [atletas] africanas deixarem. Aquilo inicialmente esteve lento, foi bastante estranho. Mas, ao fim de dois quilómetros lentos, elas impuseram o seu ritmo e lá foram", comentou no final da prova.

A liderança durante cinco voltas, confessou, não foi planeada, mas apenas uma tentativa de se posicionar após a partida, já que o objetivo foi sempre acabar perto do recorde pessoal, 32.05,82 minutos, o que não aconteceu já que terminou com 32.52,17, na 28.ª posição.

"Inicialmente foi lento, depois tentei encontrar o ritmo e fui tentando passar atletas, não exagerando logo. Acabei por ultrapassar algumas, mas já ia no fim do grupo e é complicado ir buscar cada vez mais atletas à frente", explicou.

Salomé Rocha acabou por fazer uma "corrida solitária", acabando por ser ultrapassada duas vezes pela vencedora, a etíope Almaz Ayana (30.16,32).

Fazendo um balanço, a atleta considerou mesmo assim positiva a presença nestes Mundiais, de onde leva "mais uma aprendizagem, mais uma internacionalização, mais uma experiência".

Embora tenha experiência em maratona, Rocha quer continuar a correr os 10.000 metros, modalidade onde acredita que ainda pode evoluir.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.