O extremo-base do Petro de Luanda, Carlos Morais, e o poste do 1.º de Agosto, Eduardo Mingas integram a lista de dez jogadores africanos que mais se destacaram ao serviço das seleções e de clubes ao longo dos últimos dez anos.

A distinção foi feita pela Federação Internacional de Basquetebol Associado (FIBA-África), de uma lista de 55 atletas.

Os critérios de seleção basearam-se na conquista de títulos coletivos e performances individuais alcançados no período de 2010/2020.

O sítio do órgão descreve Carlos Morais (34 anos e 1,93 metros) como um nome incontornável no basquetebol angolano nos últimos anos e cita alguns dos seus feitos.

Destaca-se o facto de ter sido o jogador mais valioso (MVP) do Afrobasket'2013, evento em que foi nomeado por três vezes para o cinco ideal, em 2011, 2013 e 2015.

Já Eduardo Mingas (41 anos e 1,98 metros) é descrito como “um poste com coração de guerreiro”, quatro vezes campeão africano pela seleção angolana.

O sítio da FIBA-África sublinha o facto de Mingas ter sido nomeado o MVP da Taça dos Clubes Campeões Africanos em 2014, depois de ajudar o Recreativo do Libolo a erguer o primeiro troféu continental.

Já o base Armando Costa mereceu a menção honrosa da FIBA-África, que o cita como “um experiente organizador de jogo” que ajudou o seu clube, o 1º de Agosto, a conquistar cinco Taças dos Clubes Campeões de África.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.