A BMC ganhou esta terça-feira o contrarrelógio por equipas da terceira etapa do Critério do Dauphiné, em França, e o ciclista australiano Rohan Dennis assumiu a liderança, mas o italiano Vincenzo Nibali e o espanhol Alejandro Valverde também saíram vencedores.

Nos 24,5 quilómetros entre Roanne e Montagny - distância próxima do 'crono' coletivo da Volta a França (28 km) - a Astana, de Nibali, e a Movistar, de Valverde, perderam apenas quatro e cinco segundos, respetivamente, para a equipa no novo camisola amarela e do norte-americano Tejay Van Garderen, campeã mundial da especialidade, que registou 29.58 minutos.

Nibali, vencedor do 'Tour' em 2014, e Valverde, eterno candidato à vitória, deixaram o britânico Chris Froome a meio minuto. Vencedor do Dauphiné e da Volta a França em 2013, Froome viu a sua equipa reduzida a seis elementos logo no início, devido ao distanciamento de Ian Stannard e Wout Poels, com evidente e preocupante reflexo no desempenho do grupo, que constitui a base daquele que estará na 'Grand Boucle'.

Enquanto a Etixx-QuickStep e o alemão Tony Martin dermam boa conta de si, terminando em quarto, a 18 segundos, à frente da Orica-GreenEDGE, que foi quinta, a 23, a Sky teve problemas de organização, devido à dificuldade do quinto homem - aquele que define a classificação da equipa - em manter o contacto com os restantes durante o percurso, marcado por longos falsos planos.

Ainda mais distante ficou a Cannondale-Garmin, que concluiu com 43 segundos de atraso para a BMC, tornando mais difícil a revalidação do título do norte-americano Andrew Talansky, enquanto a Lampre-Merida, com os portugueses Rui Costa e Nelson Oliveira, foi oitava, a 47.

Entre as restantes equipas com corredores portugueses, a Bora-Argon 18, com José Mendes, foi 11.ª, a 57 segundos, a Katusha, de Tiago Machado, foi 14.ª, a 1.05 minutos, com os dois lusos a entrarem nos respetivos grupos, enquanto Bruno Pires perdeu 1.36 minutos para os companheiros da Tinkoff-Saxo, que terminou em 19.º, a minuto e meio da BMC.

Na geral, Rohan Denis, ex-recordista da hora - a quem sucedeu primeiro Alex Dowsett e, no domingo, Bradley Wiggins - comanda exatamente com o mesmo tempo de Van Garderen, enquanto o ucraniano Andriy Grivko e Vincenzo Nibali seguem nas posições imediatas, a quatro segundos. Valverde é nono, a cinco segundos, e Froome é 24.º, a 35.

"Eu progredi na montanha, mas Tejay [Van Garderen] é melhor do que eu nas subidas", afirmou Denis, antevendo a mudança do centro de decisão para os terrenos mais acidentados nos próximos dias.
Rui Costa e Nelson Oliveira são os melhores portugueses, em 29.º e 30.º, ambos a 48 segundos do líder, José Mendes segue em 38.º, a 54, Tiago Machado aparece em 56.º, a 1.05 minutos, e Bruno Pires caiu para 87.º, a 3.18.

Na quarta-feira, o pelotão enfrenta a quarta etapa, a mais longa da prova, com 228 quilómetros, entre Anneyron e Sisteron, num percurso com alguns topos, mas sem dificuldades significativas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.