Um ataque surpreendente a três quilómetros da meta, já depois de uma série de favoritos se terem distanciado, deu hoje a vitória ao colombiano Nairo Quintana (Movistar) na segunda etapa da Volta a Espanha em bicicleta.

Vencedor em 2016, Quintana completou os 199,6 quilómetros entre Benidorm e Calpe em 5:11.17 horas, à frente do novo líder, o irlandês Nicolas Roche (Sunweb), segundo a cinco segundos, o mesmo tempo do esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma), que fechou o pódio.

Depois de a Astana ter deixado um grupo de seis favoritos surpreender o colombiano Miguel Ángel López, primeiro líder depois da vitória da formação cazaque no contrarrelógio por equipas da primeira etapa, Quintana atacou a três quilómetros do fim.

A incerteza durou até às últimas centenas de metros, com o colombiano a levar a melhor e vencer 31 dias depois de erguer os braços na 18.ª etapa da Volta a França, desta vez à frente de Roche, que se ‘consolou’ com a camisola vermelha, e de Roglic.

O esloveno minimizou as perdas da Jumbo-Visma no primeiro dia, em que uma queda o levou a perder 40 segundos para a liderança, e hoje chegou ao sexto lugar da geral, a 36 segundos no novo comandante.

Roche aproveitou as bonificações do segundo lugar para arrebatar a camisola vermelha ao colombiano Miguel Ángel López (Astana), que agora é quinto, com Quintana em segundo a dois segundos e o colombiano Rigoberto Urán (Education First) em terceiro, a oito.

O espanhol Mikel Nieve (Mitchelton-Scott) aproveitou a fuga para subir a quarto, a 22 segundos, com a Astana e a Deceuninck-Quick Step, primeira e segunda na etapa inaugural, a perderem posições ao não colocarem homens na frente.

No final, e já depois de se saber a nova configuração da geral, o próprio Quintana assumiu a incredulidade com o final, que apelidou de “muito particular”.

“Nunca ganhei desta forma, mas parece que há sempre uma primeira vez. Foi especial, foi bonito, e era algo de que eu e a equipa precisávamos. Temos estado a trabalhar bem”, destacou.

O colombiano, que procura uma segunda vitória na ‘Vuelta’ e um terceiro em ‘grandes Voltas’, depois do Giro2014, lembrou ainda o esforço do espanhol Alejandro Valverde, com o campeão do mundo a trabalhar na frente do pelotão para selecionar o grupo dos favoritos.

Também o esforço de “toda a equipa” foi destacado, após uma vitória que revitaliza a equipa espanhola, depois de perderem o equatoriano Richard Carapaz, vencedor da Volta a Itália, por lesão a dias do começo.

Rúben Guerreiro (Katusha Alpecin) foi o melhor dos portugueses, ao cortar a meta em 23.º lugar, a 1.43 minutos do vencedor, o que lhe valeu um ‘salto’ para a 40.ª posição na geral, agora a 2.12 da liderança.

Ricardo Vilela (Burgos-BH) é 87.º, depois de ser 83.º, enquanto o colega de equipa Nuno Bico segue em 155.º, depois de hoje ter sido 153.º. Nelson Oliveira (Movistar) foi 97.º e caiu para a mesma posição na geral, enquanto Domingos Gonçalves (Caja Rural-Seguros RGA) é agora 119.º.

Na segunda-feira, a terceira etapa liga Ibi a Alicante ao longo de 188 quilómetros, num dia que inclui apenas duas contagens de montanha, ambas de terceira categoria, com uma chegada ao ‘sprint’ em perspetiva.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.