O selecionador português de futsal, Jorge Braz, considera uma “obrigação” Portugal estar no Mundial2020 e aponta a um objetivo claro na Ronda de Elite de qualificação, vencer os três jogos, perante Bielorrússia, Finlândia e Itália.

“Temos a noção da dificuldade para garantir a qualificação. Cada vez mais essas dificuldades aumentam, mas sabemos muito bem o que queremos. Não é quase uma obrigação, é mesmo [uma obrigação]. Mais até pelo desejo fortíssimo de todos em estar num grande palco como um Mundial, em que estamos habituados a estar nos últimos anos”, disse Jorge Braz, em entrevista à agência Lusa.

Depois de ter passado a Ronda Principal com um percurso 100% vitorioso, frente a República Checa, Letónia e Alemanha, Portugal vai ser o anfitrião do grupo A da Ronda de Elite de qualificação para o Mundial2020, na Lituânia.

Na Póvoa de Varzim, a ‘equipa das quinas’ vai ter pela frente Bielorrússia, Finlândia e Itália, sendo que o objetivo luso “é muito claro”, segundo Jorge Braz.

“Vão ser três jogos dificílimos, queremos começar com três pontos, ter seis no segundo dia e nove no final. Não há dúvidas. Mentalmente sabemos muito bem o que temos de fazer: três jogos, nove pontos e qualificarmo-nos para o Mundial”, vincou à Lusa.

Mesmo com o estatuto de campeão europeu em título, Jorge Braz considera que Portugal tem de “acrescentar algo mais” ao seu trajeto: “O que fizemos foi fantástico, é histórico e algo de que nos orgulhamos, mas, para estarmos num Mundial e com as expectativas que nós sabemos bem quais são, temos de ir acrescentando algo mais ao que fizemos.”

No grupo A da Ronda de Elite, a seleção nacional vai defrontar três adversários “distintos”, mas que vão colocar “bastantes dificuldades”, sendo que o último será a Itália, equipa que Jorge Braz coloca, “teoricamente, num nível acima” de Bielorrússia e Finlândia.

“A Itália continua com jogadores de top mundial, como o Merlim [jogador do Sporting] ou o [guarda-redes] Mamarellla, mudou de selecionador, reorganizou toda a estrutura, estão a querer construir um novo ciclo. Não vai é ser já. Que esperem um bocadinho”, disse, entre sorrisos.

Contudo, salientou que a Bielorrússia, primeiro opositor da equipa lusa no Ronda de Elite, “tem evoluído imenso” e que “a Finlândia tem organização e um selecionador muito experiente”.

Portugal defronta a Bielorrússia na quinta-feira, a Finlândia na sexta-feira e a Itália no domingo, em jogos que serão realizados na Póvoa de Varzim.

Da Europa, apuram-se para o Mundial da Lituânia, que vai decorrer entre 12 de setembro e 04 de outubro, os primeiros classificados dos quatro grupos da Ronda de Elite, e os vencedores dos 'play-offs' a disputar entre os quatro segundos classificados.

Portugal procura a sua sexta participação consecutiva num Mundial, depois das presenças em 2000 (Guatemala), 2004 (Taiwan), Brasil (2008), Tailândia (2012) e Colômbia (2016), sendo que o melhor resultado ocorreu precisamente na primeira participação, com um terceiro lugar na Guatemala.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.