A chegada à alta montanha na Volta a França em bicicleta trouxe hoje o primeiro triunfo francês, obra de Julien Alaphilippe no Grand-Bornand, onde o belga Greg Van Avermaet (BMC) garantiu mais um dia com a camisola amarela.

O corredor da Quick-Step Floors conseguiu a sua primeira vitória no Tour e vestiu a camisola de melhor trepador, depois de ter escolhido a fuga certa na 10.ª etapa, uma ligação de 158,5 quilómetros, que saiu de Annecy e obrigou os corredores a enfrentarem três contagens de montanha de primeira categoria e uma de categoria especial.

A primeira das três etapas no Alpes não provocou diferenças significativas entre os favoritos, com exceção do colombiano Rigoberto Uran (Education First-Drapac), segundo classificado em 2017, que fraquejou na última subida do dia, La Colombière, e cedeu mais de dois minutos aos adversários, provavelmente ainda a ressentir-se da queda de domingo.

Christopher Froome (Sky), que procura a sua quinta vitória na prova, quarta consecutiva, chegou na companhia dos seus principais rivais, a 3.23 minutos do vencedor, e somente alguns 'outsiders' como o polaco Rafal Majka, o russo Ilnur Zakarin, o luxemburguês Bob Jungels e o holandês Bauke Mollema cederam 50 segundos como resultado do ritmo imposto na parte final pela equipa do britânico.

Quando a Sky acelerou, já Alaphilippe estava bem destacado na frente, depois de se ter libertado na última subida dos companheiros de fuga que ainda o acompanhavam desde que um grupo de 21 corredores saiu do pelotão antes da passagem em La Croix Fry, primeira grande dificuldade do dia (km 43).

"Sabia que era uma etapa em que, se quisesse ganhar, tinha de entrar numa fuga. Estava um pouco nervoso no início, parecia que a coisa não estava a resultar e eu estava a exagerar um pouco. No final, dei tudo o que tinha, fiz das tripas coração”, afirmou Alaphilippe, que completou a tirada em 4:25.27 horas.

Além do francês, vencedor da clássica Flèche Wallone há três meses, entraram nesse grupo, entre outros, o espanhol Ion Izagirre (Bahrein Merida) e o estónio Rein Taarame (Direct Energie), que cruzariam a meta em segundo e terceiro, respetivamente, um pouco mais de minuto e meio depois de Alaphilippe.

O grupo, que chegou a integrar o belga Phillippe Gilbert e até o tricampeão do mundo Peter Sagan, dividiu-se logo na primeira subida, e a cabeça ficou reduzida a oito elementos, incluindo Van Avermaet, que enverga a camisola amarela desde o terceiro dia e viu aqui uma oportunidade de prolongar a liderança.

As subidas ao planalto de Glières (km 68,5), ao Col de Romme (km 130) e, finalmente, La Colombière (km 144) não demoverem o campeão olímpico, que a terminou 1.44 minutos depois de Alaphilippe, com o mesmo tempo do compatriota Serge Pauwels (Dimension Data) e 40 segundos à frente do francês Lilian Calmejane, os outros resistentes da fuga.

Seguiu-se o grupo dos favoritos, encabeçado pelo irlandês Daniel Martin, com Froome, Tom Dumoulin, Nairo Quintana, Alejandro Valverde, Romain Bardet, Adam Yates, entre outros, incluindo o britânico Geraint Thomas (Sky), segundo da geral, a 2.22 minutos de Van Avermaet.

Do principal lote de candidatos, Valverde, terceiro, a 3.10 - menos 11 segundos do que Froome - é quem parte em vantagem na quarta-feira para a curta 11.ª etapa, com apenas 108,5 quilómetros entre Albertville et La Rosière, mas pontuada por grandes subidas (Bisanne e Col du Pré) e descidas, antes de um final em alto.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.