O canoísta Antoine Launay deseja estar no ‘top-10’ nos Europeus de slalom de setembro, na República Checa, e espera que as desigualdades desportivas provocadas pela covid-19 não se reflitam em Tóquio2020.

“Depois de estar três meses sem treinar em pista, entrar no ‘top-10’ seria um excelente resultado. Na final, seria desfrutar. Tudo o que vier é bom”, assumiu, durante o estágio em Praga, referindo-se à prova prevista para 18 a 20 de setembro.

A Associação Europeia de Canoagem ainda não confirmou o evento, sendo que ingleses e eslovacos já assumiram, esta semana, que não vão participar, devido à pandemia.

“Temo que outros possam fazer o mesmo e assim ficarei mais tempo sem competir”, disse o atleta luso, depois de a prova já ter sido adiada, uma vez que estava inicialmente prevista para maio em Londres.

Launay, que se apurou para Tóquio2020 em K1 com o sétimo lugar no Mundial de 2019, anseia sobretudo competir, pois, devido à pandemia, ficou “demasiado tempo” sem se preparar em águas bravas e não quer que essa limitação crie um fosso competitivo para os rivais, com repercussões também nos Jogos Olímpicos, adiados para 2021.

“Enquanto os checos, os melhores do mundo, e outros continuam a praticar diariamente, em Portugal nem sequer tenho uma pista para o fazer. Isso obriga-me a ir vivendo de estágio em estágio no estrangeiro o que não é bom para nenhum competidor”, lamentou.

O luso, de 27 anos, sabe que o seu sétimo lugar no Mundial equivale ao quarto nos Jogos Olímpicos, uma vez que teve à sua frente dois checos, dois espanhóis e outros tantos ingleses, quando nos Jogos cada país só pode apresentar um atleta.

“Sei é que preciso de me preparar muito bem para Tóquio. Não conseguir treinar em águas bravas não é nada bom. Para tentar estar bem, devo estar focado e trabalhar com rigor e disciplina, sem ter um conjunto de dificuldades logísticas a atrapalhar. Infelizmente, não sei como vão ser os próximos meses, nem sequer onde vou viver”, lamentou.

O fomento da “desigualdade entre competidores” traduzida, por exemplo, na possibilidade de praticar diariamente em curso de água apropriado, é o fator negativo que mais destaca do adiamento de Tóquio2020, pois, de resto, entende que a situação até lhe foi benéfica.

“Tenho mais um ano para evoluir e trabalhar com o treinador [Peri Guerrero] as coisas menos boas. O ano de 2019 foi muito bom e estava a acontecer tudo muito depressa. Confio muito nos planos, sempre apoiados pela Federação Portuguesa de Canoagem”, elogiou.

O atleta do Darque KC, clube de Viana do Castelo, sonha em ter um dia uma pista de slalom em Portugal, recordando que a mesma pode servir para um conjunto de atividades de lazer.

“Podemos dar-lhe várias utilidades. A FPC tem feito um excelente trabalho na pista, onde Portugal tem das melhores seleções do Mundo. É preciso uma infraestrutura de slalom para que também possamos evoluir nesta vertente, pois quem a deseja seguir, tem muitas mais dificuldades para se afirmar do que os desportistas de muitos outros países no mundo”, lamentou.

Antoine Launay destacou ainda os “desafios financeiros” inerentes à necessidade de viver em sucessivos estágios fora do país, agradecendo a aposta da FPC no seu empenho e sonho olímpico.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.