Num dos dias de testes da semana passada, em Barcelona, os primeiros da nova temporada de Fórmula 1, o Ferrari de Sebastian Vettel parou e teve que ser retirado da pista por uma grua. Na altura, a equipa italiana não avançou com detalhes em relação ao problema que afetou o monolugar do piloto alemão, falando então em "causas desconhecidas". Agora, esclareceu o que se passou com o motor do veículo.

Após uma análise mais profunda nos dias que se seguiram, levada a cabo na fábrica oficial da 'scuderia', em Maranello, os responsáveis da Ferrari chegaram à conclusão do que aconteceu. "A unidade que teve o problema na última sexta-feira foi desmontada e analisada em Maranello. A falha foi teve origem num problema não-estrutural do sistema de lubrificação do monolugar. Não é motivo de preocupação e o trabalho para resolvê-lo já está em andamento".

Traduzido por outras palavras, ter-se-á tratado apenas de um mero vazamento de óleo. A equipa do 'cavalinho rampante' espera, agora, conseguir apresentar-se a um nível mais alto nos últimos dias de treino antes do arrqnue da temporada, no Grande Prémio da Austrália.

"Durante os próximos três dias, nos últimos testes antes da temporada começar na Austrália, a 15 de março, a equipa irá trabalhar na vertente do desempenho dos veículos, trabalhando ao mesmo tempo já nas simulações de situações de qualificação e corrida", explicaram no mesmo comunicado os responsáveis da Ferrari.

Ao mesmo tempo, a Ferrari anunciou o plano de alinhamento dos pilotos para os próximos testes. Assim, quarta-feira estará em posta Charles Leclerc; quinta-feira de manhã continuará a rodar o piloto francês, com Vettel a entrar em cena nessa tarde. Sexta-feira, será o alemão Vettel a estar em pista. Isto, naturalmente, salvaguardando quaisquer complicações, como a gripe que afetou Vettel durante parte da primeira semana de testes de pré-temporada.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.