Os apelidos Vatanen e Loubet pesam pouco a Max e a Pierre-Louis, filhos de antigos pilotos consagrados, que alinham na 52.ª edição do Rali de Portugal, sexta prova do Mundial de ralis.

“O meu pai teve zero influência para eu ser piloto de ralis. Sempre vivi no mundo dos ralis, no início não tinha qualquer interesse nos ralis, mas apareceu depois. O meu pai nunca me forçou a nada”, explicou Max Vatanen, em declarações à agência Lusa.

Quando nasceu Max, já Ari Vatanen tinha conquistado o título mundial de ralis há nove anos, mas, mesmo assim reitera a escolha pessoal: “Não devemos escolher o que fazer por causa do teu pai, claro que a família tem influência, mas os desportos motorizados são tão difíceis que tem de ser uma escolha pessoal”.

Aos 27 anos, Max Vatanen voltou ao Rali de Portugal, onde se estreou em 2014, ao volante de Hyundai i20 R5 sem apontar como referência o seu pai, vencedor de quatro edições do Dakar, preferindo seguir o seu próprio sonho: “Agora estou no mundo motorizados, não a tempo inteiro, mas é esta a minha paixão”.

Quem também partilha a paixão do pai é o jovem francês Pierre-Louis Loubet (Hyundai i20 R5), de 21 anos, filho de Yves Loubet, vencedor do Rali dos Açores em 1992 e do Rali da Madeira em 1989, quando conquistou o título europeu.

“É difícil dizer que é uma inspiração, porque foi há muito tempo, mas sigo os conselhos dele. Lembro-me, quando era muito pequeno, ainda o vi nos ralis, e eu preferia sempre os kartings do que o futebol, por exemplo. Ele foi famoso no passado, agora é a minha história, e não é um problema”, sublinhou o atual 10.º classificado do WRC2.

Mesmo assim, Pierre-Louis, que foi segundo entre os juniores na estreia em Portugal, há três anos, ‘culpou’ o pai por despertar o seu gosto pelo desporto automóvel: “Claro, quando eu era uma criança, ele levou-me a experimentar os karts e foi aí que tudo começou”.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.