Frederico Silva, número 193 mundial, e Francisca Jorge, tricampeã nacional absoluta, apuraram-se hoje para as meias-finais do terceiro torneio do Circuito Sénior da Federação Portuguesa de Ténis (FPT), que está a decorrer na Figueira da Foz.

Numa jornada em que Gastão Elias desistiu por lesão na virilha, Frederico Silva somou a sua sexta vitória consecutiva, desta feita diante de João Monteiro, em dois ‘sets’, pelos parciais de 6-0 e 6-2, em uma hora e 14 minutos.

“Foi o encontro mais fácil para jogarmos nas últimas semanas, não estava tanto calor nem vento e, por isso, o ténis foi melhor. Tentei sempre impor o meu jogo, entrar bem no encontro, manter o nível estável e isso acabou por ser o mais importante para fechar com estes parciais. O João é um jogador muito talentoso, já nos conhecemos bem e o que tentei fazer foi ser agressivo, controlar os pontos e não lhe dar a iniciativa. Esse foi o foco: servir e responder bem para começar os pontos com a máxima agressividade”, explicou o esquerdino das Caldas da Rainha.

Na meia-final, Frederico Silva, que venceu a segunda etapa do Circuito Sénior da FPT no Lisboa Racket Centre, vai defrontar Nuno Borges, campeão na Vale do Lobo Tennis Academy, que hoje beneficiou da desistência de Gastão Elias, quando comandava por 2-1.

A segunda meia-final masculina de sábado vai colocar frente a frente Duarte Vale, apesar da derrota de hoje ante Tiago Cação, por 7-6 (7-4) e 7-6 (8-6), e Luís Faria, que bateu Paulo Fernandes, por 7-5 e 6-1, mas já estava apurado graças ao abandono de quinta-feira de Pedro Sousa com uma mazela no gémeo da perna direita.

Na competição feminina, a vimaranense Francisca Jorge eliminou a ‘qualifier’ Sara Lança, por 6-2, 4-6 e 6-1, para registar o seu 13.º triunfo em 14 encontros e garantir assim o acesso às meias-finais no Tennis Club da Figueira da Foz.

“Não joguei mal, mas estive um bocadinho retraída e achava que estava a fazer menos do que estava a conseguir fazer, mas acabei por ser um bocadinho superior. No segundo ‘set’ ela subiu o nível, jogou melhor e eu tentei fazer mais coisas e não consegui, porque ela estava a impor mais ritmo. Na terceira partida, tranquilizei-me, joguei mais calma e tirei mais proveito disso, jogando melhor ténis”, justificou a jovem, de 20 anos, que vai jogar agora frente a Ana Filipa Santos.

Inês Murta, campeã no Lisboa Racket Centre, por sua vez, impôs-se a Elizabet Hamaliy, pelos parciais de 6-3 e 6-3, e vai discutir o apuramento para a final com Maria Inês Fonte, depois da vitória desta frente a Mariana Campino, por duplo 6-4.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.