Rússia, Bélgica e Canadá colocaram-se hoje em vantagem na primeira edição da nova versão das Finais da Taça Davis em ténis, ao bateram as seleções da Croácia, campeã em título, Colômbia e Itália, respetivamente.

Entre 18 e 24 novembro, na Caja Magica, em Madrid, 18 seleções vão estar divididas em seis grupos de três equipas, sendo que os vencedores das ‘poules’ e os dois melhores segundos classificados qualificarem-se para os quartos de final.

No primeiro dia, a Rússia, sem Daniil Medvedev, o melhor tenista russo da atualidade (5.º do ‘ranking’), teve as esperanças depositadas em Andrey Rublev, que superou sem dificuldades o croata Borna Gojo, com um duplo 6-3, antes de Karen Khachanov ter imperado perante Borna Coric, por 6-7 (4-7), 6-4 e 6-4, em jogos da ‘poule’ B.

A seleção da casa apenas entra em prova na terça-feira, quando defrontar a Rússia, seguindo-se depois a Croácia, na quarta-feira.

No grupo D, a Bélgica também começou da melhor maneira, com o já retirado Steve Darcis a bater facilmente Santiago Giraldo, da Colômbia (6-3 e 6-2), tendo depois David Goffin confirmado a superioridade para os vice-campeões em 2015 e 2017, com novo triunfo mais difícil, ante Daniel Galán (3-6, 6-3 e 6-3).

Na terça-feira, a Austrália defronta a Colômbia e mede forças com a Bélgica no dia seguinte.

No encontro mais longo dia, que opôs o italiano Matteo Berrettini, 8.º, a Denis Shapovalov, 15.º, a incerteza manteve-se até final, visto que todos os parciais foram resolvidos em ‘tie-break’, mas o decisivo ‘set’ acabou por ‘cair’ para o lado do canadiano, que venceu por 7-6 (7-5), 6-7 (3-7) e 7-6 (7-5).

Para a entrada vitoriosa do Canadá na ‘poule’ F, contribuiu também o triunfo do compatriota Vasek Pospisil perante Fábio Fognini, 12.º, pelos parciais 7-6 (7-5) e 7-5.

A seleção dos Estados Unidos é o próximo adversário de Canadá, na terça-feira, e de Itália, na quarta-feira.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.